Trilhas em Paraty

« Voltar à página anterior

Trilhas em Paraty

LARANJEIRAS –  SONO –   PONTA NEGRA
 
Começando na Vila do Oratório em Laranjeiras, a trilha segue costeando o mar, motivo pelo qual não há risco de errar o caminho.  Para saber exatamente onde inicia a trilha basta perguntar aos moradores locais.  É sem dúvida uma das mais belas trilhas de Paraty  pois passa por alguma das melhores praias da região.  Acrescente ainda o fato da trilha proporcionar excelentes vistas panorâmicas.  Há riachos no caminho para refrescar-se.  A trilha pode ser feita em partes: Laranjeiras – praia do Sono (50 minutos),  Sono – praia dos Antigos (25 minutos),  Antigos – praia do Antiguinho (15 minutos)  e Antiguinho - Praia da Ponta Negra (40 minutos).  Esses tempos são apenas para ida.  Volta-se pelo mesmo caminho que se veio.  Para quem optar por ir até a Ponta Negra recomenda-se  fazê-lo bem cedo, pois a duração total média é de seis horas (entre ida e volta). Veja as descrições das praias no capítulo específico. 

 

 

 

PONTA NEGRA – POUSO DA CAJAÍBA
  
Trilha longa e cansativa. Recomenda-se fazer no mínimo em três dias (dois pernoites) para aproveitar os lugares maravilhosos por onde passa.   A trilha é a mesma que a anterior até a praia da Ponta Negra (tempo necessário para percorrer Laranjeiras - Ponta Negra é de duas horas e dez minutos, sem contar os descansos e paradas). Deve-se dormir na praia da Ponta Negra pois o próximo passo, até o Pouso da Cajaíba, é muito longo. É possível conseguir um lugar para dormir  pois pescadores alugam quartos – bastante simples e sem luz elétrica.  Também é possível conseguir alguma refeição, mas por garantia recomenda-se levar comida. O trecho Ponta Negra – Pouso da Cajaíba é feito em 6 horas (sem considerar as paradas para descanso e alimentação) por vegetação nativa e lugares desertos, portanto deve-se inciá-lo bem cedo.  Após três horas de caminhada chegará na minúscula praia do Cairuçu que pode sumir na maré cheia; a partir dessa praia, mais uma hora de caminhada chegará no Saco das Enxovas – uma pequena enseada sem praia; do Saco das Enxovas, mais uma hora de caminha encontrará a belíssima praia e cachoeira Martim de Sá (com possibilidade de pernoite para quem trouxe barraca); da praia Martim de Sá até o Pouso da Cajaíba mais uma hora de caminhada.  Na praia do Pouso há alguma infraestrutura de hospedagem e alimentação (ver descrição no capítulo sobre praias).  No dia seguinte, a volta do Pouso para Paraty deve ser feita de barco que pode ser arranjada no local.  Essa trilha também pode ser feita no sentido contrário, iniciando no Pouso da Cajaíba e terminado em Laranjeiras. 

 

 

 

LARANJEIRAS – PONTA DA FOICE (Saco de Mamanguá)

Trilha de três horas de duração com dificuldade média.  Praticamente toda a trilha é feita sobre a sombra da alta  vegetação nativa.  Passa por vários pequenos córregos até chegar no belíssimo mangue localizado no fundo do Saco de Mamanguá.  Na Ponta da Foice há uma minúscula praia onde se pode refrescar com um banho de mar.  A trilha começa na estrada de terra à esquerda do asfalto, cem metros antes da primeira portaria do condomínio Laranjeiras.  Apesar da haver algumas bifurcações, basta seguir a trilha principal até o fim.  Ela é bem aberta e fácil de identificar.  Volta-se pelo mesmo caminho que veio. 

 

 

 

PARATY-MIRIM - LARANJEIRAS
 
Trilha com 3,5 horas de duração, bem cansativa por causa dos morros por onde passa.  A trilha bifurca algumas vezes mas existe – apesar de espaçadamente – casas onde se pode pedir informações.  Há menos chance de se errar  caso inicie a caminhada por Paraty-Mirim (o início da trilha é na estrada de terra que leva para Paraty-Mirim junto ao único ponto de ônibus dessa estrada, situado a 2,1 km do asfalto).  A trilha começa  com uma forte subida de 40 minutos até o alto da montanha onde será avistado o Saco do Mamanguá.  Nesse ponto repare que no fundo do Saco do Mamanguá existe um mangue.  A trilha seguirá por trás desse mangue.  O trecho mais confuso da trilha está justamente em saber qual caminho a seguir do fundo do Saco de Mamanguá até Laranjeiras.  Porém se pegar a trilha errada você logo irá perceber pois ela terminará no mangue ou no mar, além de existir sempre a possibilidade de pedir informações.  O ponto final da trilha é a Vila do Oratório, em Laranjeiras, onde se pode pegar ônibus para voltar a Paraty.  Deve-se iniciar a trilha de manhã para evitar que devido a atrasos, escureça enquanto estiver na trilha.  No caminho você passará por vegetação nativa, mangue, riachos e lugares altos com belíssimos visuais.    

 

 

 

CAMINHO DO OURO (Trecho completo dentro de Paraty) 

O Caminho do Ouro foi uma estrada calçada com pedras, feita pelos escravos no início do século XVIII, para escoar o ouro das “minas gerais”.  Parte desse caminho está tomado pela floresta ou simplesmente abandonado no meio de plantações de mandioca e banana.  Porém parte foi recuperada e encontra-se em excelente estado de conservação.  Para se fazer o trecho completo do Caminho do Ouro deve-se ir de carro ou ônibus até às ruínas do Bar Fecha Nunca, na beira da rodovia Paraty/Cunha, a dezoito quilômetros de Paraty.  O ponto final da trilha é a igreja do Penha, junto à cachoeira do Tobogã. O tempo total de caminhada, contando com as paradas para descanso é de três horas.  Nessa trilha, que é só descida, passa-se  por sítios históricos, floresta virgem, cachoeiras e mirantes.  É recomendável o acompanhamento de um guia.

 

 

 

CAMINHO DO OURO (trecho parcial dentro de Paraty)

Essa trilha relativamente fácil começa na rodovia Paraty-Cunha a dez quilômetros de Paraty e segue por  uma das partes mais bem conservada do Caminho do Ouro, localizada dentro do Sítio Histórico e Ecológico Caminho do Ouro, onde uma equipe de historiadores e arqueólogos recuperaram a estrada, encontrando ruínas da Casa do Quinto.  É cobrado ingresso para entrar nesse trecho.  A equipe do Sítio também faz passeio com guia pelo Caminho do Ouro, pegando o turista desde Paraty (informe-se nas agências de turismo da cidade).  O tempo total dessa trilha é de três horas (volta-se pelo mesmo caminho que veio).

 

 

  

TRILHA DOS SETE DEGRAUS (Pedra da Macela - Pedra Branca)

A trilha, também conhecida como Caminho do Café, inicia na Pedra da Macela (em Cunha) e termina no bairro da Ponte Branca (em Paraty).  Apesar de ser somente descida, a trilha é bastante cansativa por ser longa (aproximadamente 7 horas de caminhada, contando com as paradas).  Um bom trecho dela segue por uma antiga estrada de pedras feita por escravos utilizada para escoar o café do Vale do Paraíba.  A vegetação invadiu parte dessa estrada tornando o caminho ainda mais bonito. Belíssima trilha que passa por cachoeiras, vegetação nativa, sítios históricos e vistas panorâmicas.  Importante o acompanhamento de guia pois a trilha bifurca muito e não há no caminho casas ou pessoas que poderiam tirar dúvidas sobre a direção a seguir.

 

 

 

PEDRA DA MACELA

A Pedra da Macela é um mirante a 1800 metros de altura, no topo da Serra do Mar, bem na divisa entre Paraty e Cunha.  Possui belíssima vista tanto para baía de Paraty e Ilha Grande quanto para o Vale do Paraíba.  O melhor momento para ir na Pedra da Macela é no entardecer dos dois primeiros dias de lua cheia, pois assim é possível ver a lua nascendo de um lado e o sol se pondo do outro.  Para chegar até lá se deve subir a rodovia Paraty/Cunha por 31,2 quilômetros e entrar a direita na estrada de terra.  Quando foi feito o levantamento desse guia havia uma porteira impedindo a entrada de carro próximo ao morro, obrigando a fazer o último quilômetro a pé, apesar de ser um trecho asfaltado (aproximadamente 50 minutos de subida).  Mas vale pelo visual.

 

 

 

TRILHA DO PEREIRA

Esta é a mais cansativa trilha da região.  São cinco horas de subida íngreme para ir e três horas de descida para voltar (volta-se pelo mesmo caminho).  Inicia na comunidade de São Roque e vai até a fazenda do “seu Pereira” que recebe os raros visitantes com café e um delicioso queijo feito na fazenda.  Noventa e cinco por cento da trilha é coberta pela Mata Atlântica.  Durante o percurso  observa-se vários tipos de aves além de bichos como macaco, cotia e tatu. Depois de certa altitude muda o tipo de vegetação, mais adaptada ao clima frio.  Essa trilha não passa por nenhuma cachoeira ou sítio histórico, sendo recomendada apenas para que tem excelente condicionamento físico e quer treinar ou testar sua resistência.  Não esquecer de levar lanche e água.  Sair bem cedo para não voltar a noite.  A trilha é larga e não tem como perdê-la durante a caminhada.  O mais difícil é achar o início da trilha, mas pode-se perguntar aos moradores de São Roque.

 

 

 

TRILHA DO MELANCIA

Essa trilha leva a uma da mais bonitas cachoeiras da região.  Como se não bastasse, a trilha em si também é bonita, cortando densa vegetação nativa.  O início da trilha é no Bar da Mata junto à cachoeira do Caixão de Pedra.  É recomendável o acompanhamento de um guia que pode ser arranjado no Bar da Mata.  São 3,3 quilômetros de caminhada morro acima, bastante cansativo.  Existe a opção de ser feita com “taxi-mula”.   O tempo necessário para chegar até a cachoeira é de uma hora e quinze minutos.   Como existem várias quedas d’água gasta-se mais uma hora e meia para percorrê-las.  A duração total da trilha é de quatro horas, contando com as paradas para mergulho nas cachoeiras.

 

 

 

TRILHAS A PARTIR DA PRAIA DA PONTA NEGRA

Existem três opções de trilha para se fazer a partir da praia da Ponta Negra.  Com duração de oito horas (cinco para subir e três para descer) a trilha da Pedra da Jamanta leva a um pico de 1098 metros de altura com vista para as praias de Laranjeiras, Sono, Antigos e Ponta Negra e para o fundo do Saco de Mamanguá.  Com duração de nove horas a trilha para o Pico do Cairuçú leva a um pico um pouco mais baixo (1070 metros) e com vista para Ponta da joatinga, Pouso e Ilha Grande.  Com duração de quatro horas, existe uma trilha que leva para a belíssima cachoeira do Saco Bravo (ver capítulo sobre cachoeiras).  Como as trilhas são dentro da mata e existem várias bifurcações que poderiam levar a erros, essas trilhas não foram planilhadas.  Imprescindível o acompanhamento de guia que pode ser arranjado na praia da Ponta Negra.   Localização geográfica da Pedra da Jamanta e da Cachoeira do Saco Grande, respectivamente: 23o 18,64’S / 044o 36,34’W e 23o 21,56’S / 044o 35,17’W